comentários  
  

20 de junho de 2012, 08:28

Stiupb denuncia: Energisa continua escravizando os seus empregados


O Grupo Energisa que atua em todas as regiões da Paraíba, seja  no litoral, cariri, brejo, curimataú e sertão, é considerado por seus acionistas, diretores, uma empresa de alto nível diante da sociedade, devido a grande quantidade de prêmios que são recebidos anualmente pela média social e com isso, as pessoas mais favorecidas são aquelas que ocupam os cargos de chefias, enquanto os demais empregados são tratados como verdadeiros escravos.

 No inicio de cada ano a diretoria da empresa se reúne com todos os funcionários para lhes mostrar um resumo dos trabalhos que foram realizados no ano anterior e apresentar novos projetos para o ano seguinte, o que é chamado de Projeto Bússola, sendo que no momento de cada discurso feito pelo seu presidente, os elogios sempre são dados aos Diretores, Chefes de Departamentos, Coordenadores e Supervisores, enquanto os demais funcionários que são os principais responsáveis pelo progresso da empresa e que continua acumulando milhões nos cofres dos seus acionista (donos)  e elevando o nome do Grupo Energisa a alta sociedade, esses guerreiros não param de ser perseguidos, punidos, ameaçados e assediados moralmente no trabalho pelos seus superiores.

Há cerca de dois meses atrás, o Stiupb (Sindicato nas dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba)  que também representa a categoria dos eletricitários na Paraíba, recebeu algumas denuncias feitas por parte de alguns  funcionários da Energisa que trabalham na região da Borborema em Campina Grande e de outras regiões paraibanas, principalmente no sertão, alegando uma grande quantidade  de assédio moral feita por parte das chefias continuam acontecendo, onde alguns coordenadores e supervisores ameaçam puni-los com suspensão ou demissão  aquele  empregado que não cumprir algumas as atividades criadas pelos próprios chefes, atividades essas que além de não estarem dentro das normas e padrões do trabalho, podem ainda  causar algum tipo de acidente e até mesmo risco de morte aos seus subordinados. Essas denúncias foram levadas pelo Stiupb ao conhecimento da Justiça do Trabalho, sendo que desta forma, tanto o sindicato quanto os trabalhadores continuam aguardando um posicionamento judicial.  

Recentemente outras denúncias foram feitas ao Stiupb por parte dos empregados, principalmente aqueles que trabalham no sertão. Trata-se desta vez da lei da escravidão, onde alguns coordenadores além de exigirem e obrigar os seus subordinados a trabalharem fora da sua jornada de trabalho que são cumpridas diariamente eles se omitem a pagar a fazer o pagamento de horas extras que é de direito de qualquer trabalhador e  exigem ainda que alguns funcionários e até mesmo os estagiários também trabalhem durante os finais de semana  e  nos dias feriados, sem que os mesmos tenham o direito a receber salários extras, enquanto alguns chefes que além de terem o privilégio de receber  gratificações de função e que passam todos os dias da semana dentro das salas dando ordens, são privilegiados nos finais de semanas e feriados com o recebimento de grandes quantidades de horas extras que lhes são pagas mensalmente no valor de cem por cento, causando revolta aos demais funcionários e até mesmo aos estagiários.

Outro tipo de denuncia que o Stiupb recebeu também por parte dos trabalhadores, é com relação às pessoas que são lotados em uma cidade e que semanalmente prestam serviços em outras regiões, ou seja, em outras cidades,  sendo que antes tinham o direito de receber o  valor R$: 20,00 por refeição e que recentemente esse valor foi rebaixado para R$: 13,50 por pessoa. Esse tipo de atitude não foi tomada por todos os chefes, mas por alguns que querem aparecer  e mostrar um bom desempenho aos seus patrões na tentativa de baterem as suas metas e segurar os seus empregos.

Outra denuncia feita ao sindicato, é com relação aos funcionários que não tem veículos para se deslocarem das suas casas para o trabalho e do trabalho para as suas casas no período da noite e como a sede da Energisa em Patos fica praticamente fora da cidade, ficou acordo que o trabalhador tem o direito de ser levado de taxi ou outro tipo de transporte até a sua residência quando o mesmo encerrar as suas atividades no período noturno. Mesmo assim, existem determinações de algumas chefias para que essas despesas não sejam custeadas pela empresa, mas pelo próprio funcionário.

Providências

A Diretoria do Stiupb, em nome do seu presidente Wilton Maia, vem através deste, agradecer aos trabalhadores pelas denuncias feitas ao sindicato e ao mesmo tempo solicitar a todos que continuem lutando pelos seus direitos, pois jamais os nomes do denunciante serão expostos aos interesses do patrão e comunica ainda  que todas essas denuncias serão primeiramente levadas ao conhecimento da Diretoria da Energisa e caso as providencias não sejam tomadas, o caso será entregue a Justiça do Trabalho.

 

Fonte: Ascom


Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.


dois pião

dois pião

21 de junho

eita energisa, pense numa mainha boa massacra mesmo seu funcionarios um exemplo bem recente é a PLR que passou o ano interiro no verde,e só deu 12,00 reais de aumento refente a PLR passada é uma vergonha uma empresa que tem lucros exorbitantes e paga tão mal aos seus funcionarios sem contar na quantidade de algumas chefias que puxam para empresa.

sergio

sergio

21 de junho

si tudo isso for verdade a justiça tem toma as providencia

um pião

um pião

20 de junho

a varios anos essas denuncias são passadas para o sindicato e ate hoje nada foi resolvido so comversas e mais conversas.
ha augumas semanas atras um dos melhores se não o melhor cordenador em patos, foi demitido uma pessoa honesta que seguia o seu trabalho a risca, tratava bem todos os seus subordinados um cara altamente trabalhador e atencioso, mas parece que a energisa so gosta de gente que maltrate os funcionarios. infeslimente as chefis que humilham os funcionarios passam anos e anos.

REVOLTADO!

REVOLTADO!

20 de junho



ESSA TAL DE ENERGISA É MUITO FOLGADA, OS HUMILHADOS SERAM ISAUTADOS.

ffeerre

ffeerre

20 de junho

vocês não sabem de nada meu irmão trabalhar lá é leiturista da pena vendo ele chora de tanta humilhação que sofre.

CHICO CESAR

CHICO CESAR

20 de junho

MEU IRMÃO É LEITURISTA AKI EM PATOS NUNCA TEVE AS DUAS HORAS DE ALMOÇO QUE É DE DIREITO AS VEZES ELE COME EM PÉ, PORQUE SE DEMORAR UM POUCO NÃO TERMINA SUAS 760 LEITURAS POR DIA.FORA OUTRAS COISA QUE ACONTECE LÁ.

Claudiano Brito

Claudiano Brito

20 de junho

CAPITALISMO PURO.
Os donos da empresa e seu diretores são os que lucram e recebem as grandes "premiações". O que sobra para os trabalhadores (responsáveis pelos resultados da empresa)é trabalho duro, assédio moral e mais trabalho duro, com direito a demissão se não seguirem a risca a filosofia descabida destes patrões patrões.

Parabéns Wilton Maia pelo excelente trabalho a frente do STIUPB. Conheço o seu carater e a sua firmeza camarada!

Abraço

Patoense

Patoense

20 de junho

Essa denuncia é a mais pura verdade,aconteceu um caso na energisa, que morreu um parente muito próximo do meu amigo e a diretoria ñ o liberou pra ir ao velorio da pessoa da sua familia,mas mesmo assim ele foi,mas sabendo que ia ser descontado do seu salario e poderia tbm ser punido por isso.Espero que isso se resolva,e ñ deixem essa "escravidão"continuar.

KINTUS DE SOUZA

KINTUS DE SOUZA

20 de junho

Não sei quem está falando a verdade,mais sí for verdade isso mesmo é muito feio, uma empresa que ganha milhões,e seus fucionários serem humilhados por um certo grupo de diretores,mais também vamos ver os dois lados para que ninguém seja julgado de maneira errada.