comentários  

09 de julho de 2015, 08:11

Especial: Avanços e desafios do Hospital Regional de Patos


Inaugurado no dia 29 de Novembro de 1953, o Hospital Regional de Patos atualmente atende a demanda de urgência e emergência dos cidadãos nos seus momentos de aflição em saúde vindos de mais de 90 cidades do sertão paraibano. Pacientes dos Estados do Pernambuco e do Rio Grande do Norte também, vez por outra, buscam socorro nesse órgão que, como disse Janduhy Carneiro: “Hospital é a casa que por infelicidade se procura e por felicidade se encontra”.

Nesta quarta-feira, dia 08, a reportagem do Patosonline.com foi ver de perto o que melhorou e os desafios para encontrar solução em um local tão requisitado por pessoas de diversas localidades. Conversamos com coordenadores, chefes de setor e com a própria direção hospitalar.  

Recebendo o nome Deputado Janduhy Carneiro, para homenagear aquele que foi o secretário de Saúde do Estado que teve a honra de inaugurá-lo, o Hospital Regional de Patos é hoje pauta de inúmeras discussões em torno do atendimento em saúde, pois nada mais essencial à vida humana que ser bem acolhido nos momentos de aflição em que o corpo pede cuidados médicos.

Diante da cobiça política de líderes partidários em nomear seus representantes para direção do Hospital Regional de Patos, dois nomes escolhidos para direção através do Governador Ricardo Coutinho (PSB) devem ser destacados por promover avanços na melhoria no hospital, mesmo diante de tantas dificuldades: Dr. Eliseu José de Melo Neto e agora o da enfermeira Hígia Lucena.

Carente por mais espaço para atender os cidadãos, o Hospital Regional de Patos recebeu a promessa do Governador Ricardo Coutinho de ampliar dois setores fundamentais da urgência e emergência, em destaque para a Área Vermelha e a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ambos com apenas seis leitos cada. Desde 2011, que se espera a tão necessária ampliação.

Medidas austeras, porém necessárias, durante a gestão de Hígia Lucena, que tem pouco mais de um ano e um mês a frente da direção, e que conta com uma coordenação em setores fundamentais sempre presente e vigilante, tem feito a diferença diante de reclamações tão constantes em um órgão complexo e público. Hígia destacou que o respeito a equipe e o diálogo permanente fez avançar setores como cirúrgico, nutrição, fisioterapia, limpeza, manutenção, exames, farmácia, dentre outros.

Para a coordenadora do setor cirúrgico, Jaqueline Fernandes, e que tinha na ortopedia um gargalo permanente dentro do hospital, a diminuição da espera para cirurgias deu uma grande contribuição nas constantes reclamações dos pacientes e dos familiares que sofriam pela angustiosa espera por um procedimento. “A média hoje é de seis a oito dias, mas já teve paciente que com dois dias já foi realizada cirurgia. Já tivemos casos aqui de pacientes que passaram mais de 30 dias”, relata. A diminuição foi possível graças a critérios adotados mediante análise de caso e por acompanhamento de pacientes na interação de setores.

A demanda de cirurgias ortopédicas devido a uma quantidade surpreendente de acidentes, principalmente envolvendo motociclistas, tem sido um desafio constante no Hospital Regional de Patos. É perceptível que ocorreu uma melhoria significativa no setor que já foi motivo de criticas duras ao Hospital Regional de Patos.

A reportagem também acompanhou a rotina de trabalho na cozinha, farmácia, coordenações e setores técnicos. A chegada de um moderno aparelho de Radiografia Digital, em substituição ao antigo, dará mais agilidade e resolutividade nos exames. A sala está sendo preparada e se espera que até a próxima o dia 15 de Julho o equipamento esteja montado e em funcionamento.

Danielle Medeiros, coordenadora de enfermagem, destacou que o setor teve avanços como o dimensionamento de técnicos de enfermagem que antes era menor. “A gente está com um déficit na clínica médica, pois temos uma grande demanda na clínica devido ao grande atendimento ambulatorial. A criação do nosso comitê de ética também significa avanço”, disse Danielle. Falando sobre o uso do celular por técnicos e enfermeiros no momento de trabalho, Danielle relatou que tem sido combatido e os casos mais complicados com alguns funcionários vem sendo acompanhado.

O Hospital Regional de Patos, devido a uma política deficitária dos municípios, pincipalmente na atenção básica através dos Postos de Saúde, Unidades Básicas de Saúde e nos setores de marcação de exames, tem enfrentado uma procura grande de pacientes que deveriam serem atendidos na responsabilidade municipal, mas que na ausência acabam buscando até consultas simples no órgão do Estado que deveria atender apenas os casos de urgência e emergência. A ausência da conclusão e funcionamento das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA), uma no Bairro Liberdade e outra no Bairro do Jatobá, em Patos, também tem contribuído para a sobrecarga no Hospital Regional de Patos.

Aquisição de lençóis, roupas para pacientes, estoque compelto na farmácia, compra de duas ambulâncias, controle dos gastos, novas medidas para acompanhantes, melhoria no setor de fisioterapia, melhoria do setor de limpeza com compra de carrinhos especiais e material, mudanças no estacionamento, dentre outras, estão dando ao Hospital Regional de Patos um novo momento.

Mesmo diante de cortes bilionários no setor da saúde por parte do Governo Federal, a diretora Hígia Lucena acredita que em muitos casos o problema maior é mesmo administrativo. Os rumores da saída da diretora confirmados por representantes do Governo do Estado ainda não aconteceram, no entanto, Hígia se diz tranquila, pois se sente com o dever cumprido.

 

 

Jozivan Antero – Patosonline.com

 

 

OUÇA entrevista com coordenadores, chefes de setor e direção:

 

Fotos e vídeos da postagem



Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.