comentários  

29 de julho de 2015, 09:32

Maturidade intelectual II


Constituímos um país relativamente jovem. Os 514 anos que contabilizamos parecem, ainda, apenas um rascunho do país que poderíamos ser. Um desenho de criança não seria tão tosco. A agravante é que nos rabiscos da criança de fraldas ainda há certa graça. Nos nossos passos civilizatórios há desorganização e uma tendência grave a um quadrode anencefalia

            Não sou capaz de pesar até que ponto evoluímos como povo e como sociedade, mas sinto de perto o quanto deixamos de avançar e, também, o quanto parecemos regredir.

Uma historia séria do Brasil poderia nos revelar o tanto quanto andamos queimando etapas, relegando passos importantes e negligenciado experiências bem sucedidas que poderiam ter continuidade. Em nossas crises de autocritica, creditamos todos os nossos desarranjos a nossa pouca idade, como se apenas isso fosse o responsável maior pela nossa mentalidade, digamos, limitada e propensa à mesquinhez.   

            Somos um país onde, ainda, cultua-se um papel pendurado na parede e uma arrasadora festa de formatura muito mais que uma formação de fato. Não seria, claro, uma aberração gritante, se fossem casos isolados ou comportamentos individualizados. Mas nos surpreendemos sempre com a repetição em massa desse comportamento.

Parece ser mais importante dar-se a conhecer ao high society, que ter consciência do papel social a ser desempenhado pelo profissional formado.     

Somos um país onde calouros de universidade, por farra, promovem sessões de humilhação e divertimentos homicidas. Onde estudantes de medicina, por molecagem, chamam o SAMU e roubam a chave da viatura (http://rederecord.r7.com/video/estudantes-de-medicina-roubam-chave-de-ambulancia-durante-festa-em-minas-gerais-5519f9260cf26c8c7f56092a/).

Um país, onde ao que parece, a medicina e outras formações de base servem apenas, salvo raras e bravíssimas exceções, como greencardpara ogrand monde.

Somos um país onde uma certa elite adora a Europa, vendo naquele continente a excelência da cultura e do pensamento. Mas, muitos vauchersdepois, um certo ar de superioridade e egoísmo, contribui para que nada do que foi visto e aprendido por lá influencie mudanças de comportamento.Ou, no mínimo, ações públicas que redundem em melhorias para a coletividade.

O choque de cultura e o lustro geram espanto e impressão de intelligentsiaapurada, mas ao que parece se limita a isso.

Se pensarmos este país como possibilidade teremos que querer, sem reservas, que cada vez mais pessoas tenham acesso real e pleno a condições de formação e trânsito cultural. Talvez só aumentando o exército de formados, promovamos realmente a depuração e a excelência das cabeças pensantes e proativas.

Creio que uma Europa (idolatrada, salve, salve!) não se fez com poucas páginas produzidas, nem com a preguiça mental para devorá-las. Lastro cultural e maturidade intelectual são construídos nesse intenso. 

 


Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.