comentários  

17 de julho de 2017, 14:53

Para Índio, as alterações no Sousa fizeram o rendimento cair contra o Guarany


O sonho do Sousa de conseguir o acesso para Série C de 2018 foi encerrado na tarde desse domingo com a derrota nos pênaltis para o Guarany de Sobral, após os donos da casa retribuírem o 3 a 1 que o Dinossauro havia conseguido no primeiro jogo, na Paraíba. Após a derrota, o treinador alviverde Índio Ferreira admitiu que o time cearense mereceu a vitória, sobretudo por ter aproveitado os espaços que o Sousa deixou após as substituições por conta de lesões.

De acordo com Índio, até o primeiro tempo, quando o placar marcava 1 a 1, a partida estava equilibrada, com chances reais para as duas equipes. Foi só na volta do intervalo que as coisas começaram a desandar para o Sousa. Por causa de lesões, Índio teve que fazer três alterações que não mantiveram o mesmo nível da atuação do time diante do Guarany. Saíram os atacantes Rodrigo Poty e Isaías e o artilheiro da equipe, o meia Thiago Almeida, para as entradas do zagueiro Eduardo, do atacante Guilherme e do meia Juninho respectivamente. Para o treinador, aqueles que entraram em campo não deram continuidade ao ritmo estabelecido no primeiro tempo, e isso deu espaço para o Rubro-Negro cearense marcar mais dois gols, levando a decisão para os pênaltis.

- No segundo tempo, infelizmente, tivemos alguns problemas com quatros jogadores que apresentaram problemas de lesões antigas. A comissão técnica estava comentando que seria muito difícil substituir à altura o Thiago e o Poty e foi isso que aconteceu. Um jogador, quando entra em campo para substituir, tem que entrar em campo para dar o mesmo ritmo ou melhor. Na saída desses jogadores, o Guarany cresceu e soube fazer gols. Apesar das substituições serem do meio para a frente, passamos a priorizar a deficiência no ataque e pecamos na defesa. Faltou concentração. Não podíamos tomar dois gols faltando 15 minutos para o fim da partida - desabafou.

Com a derrota por 4 a 3 nos pênaltis, o Sousa deu adeus ao sonho de em 2018 disputar a terceira divisão nacional. Apesar da eliminação, o treinador do Dinossauro reconheceu que o Guarany fez o dever de casa e mereceu a classificação dentro de campo. Para Índio, o time cearense soube pegar um resultado adverso, do primeiro jogo, e transformar em algo favorável para eles.

Se na madrugada do domingo o elenco do Sousa foi surpreendido com a depredação do ônibus da equipe por vândalos em Sobral, o incidente causou espanto, mas o impacto do incidente não foi além. De acordo com o técnico do time paraibano, a eliminação da equipe não foi influenciada pelo ato de vandalismo.

- O acontecido não influenciou em nada, foi um fato isolado. Não podemos colocar o extracampo como o culpado, já prevíamos que algo nesse sentido fosse acontecer - contou.

Segundo o treinador da equipe, apesar de o desfecho na Série D não ter sido o esperado pela equipe, o grupo como um todo foi esforçado e tentou alcançar o objetivo do acesso. Índio não sabe se continua no Sousa para a próxima temporada e contou que já recebeu proposta para conversas com outras equipes, inclusive da Paraíba.

 

Por GloboEsporte.com, Campina Grande


Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.