comentários  

10 de outubro de 2018, 21:48

Por Jordan Bezerra: Sinal amarelo na Casa do povo, em Patos


Depois do pleito de domingo (07), na cidade de Patos, que fica no Sertão da Paraíba, analisando com cuidado, sem paixão política, é possível fazer uma apreciação fria e aprofundada e, com isso, apontar alguns questionamentos, com base nos números, sobretudo para a disputa do governo do Estado, na capital do Sertão. 

Em Patos, o eleitor deu um recado muito claro à Câmara de Vereadores, e faltando apenas dois anos para o pleito municipal de 2020, é bom ouvir o ‘som’ das urnas e a matemática dos votos. Seguramente, uma luz amarela e forte foi acessa para os parlamentares, e sabe por quê?

A Câmara de Patos é composta por 17 vereadores, desses, 15 declararam apoio ao candidato ao governo Zé Maranhão (MDB). Pois bem, outrora um apoio dessa envergadura representaria muitos votos, no entanto, agora o efeito foi colateral e doloroso.

Entenda porque foi distinta a situação com todo esse apoio dos 15 parlamentares que juntos só emplacaram pouco mais de 20% dos votos válidos ao senado e ao ex-governador Maranhão, ele ficou com apenas 8.895 votos, o que corresponde a 20,77% dos votos, seu concorrente direto João Azevedo, candidato de Ricardo Coutinho ficou com o total de 29.210 mil votos, ou seja, com 68,20% uma diferença grandiosa de 20.315 votos, uma vitória esmagadora e assustadora para quem enfrentará daqui a dois o crivo do povo nas urnas no pleito municipal de 2020.

Os defensores e também os subservientes do Poder Legislativo de Patos podem afirmar, e vão discordar dessa análise, contudo essa grande pisa de votos não se deve exclusivamente ao reconhecimento ao trabalho do governador RC na Morada do sol, de fato o governador fez muito por Patos, sobretudo com obras estruturantes tais como; Hospital do Bem, Binário do Jatobá (Ponte), Sede do Corpo de Bombeiro, Escola Técnica, Presídio Feminino, Rodo Shopping, 770 Casas em parceira com o Governo Federal, Ampliação da Maternidade Dr. Peregrino Filho, Reforma da Ponte do Jatobá e, em construção; o Cidade Madura e Polo calçadista.

Certamente todas essas obras influenciaram os patoenses na hora de votar, pois fizeram uma comparação com os outros governantes que passaram e pouco fizeram por Patos. Contudo não foi só isso, haja vista alguns posicionamentos da Câmara contra o povo e também, a pouca produtividade da maioria dos vereadores, seguramente também pesou nos votos dos patoenses em não seguir seus “representantes”.

A verdade é que muitos vereadores saíram menores, politicamente falando, depois do resultado das urnas no pleito de 2018. Porém, “Nem tudo está perdido” como diz a canção de Ivonaldo Albuquerque.

É preciso mudar o comportamento e mostrar muito mais serviço à população de Patos, com projetos interessantes que dignifiquem a Casa Juvenal Lúcio de Sousa e que tragam, naturalmente, melhorias e desenvolvimento para o povo da terceira cidade mais importante do Estado, caso contrário, muitos parlamentares ficarão pelo caminho e não se reelegerão em 2020, ou vão querer  pagar para ver?

 

 

Por Jordan Bezerra

 


Publicidade
Publicidade

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSONLINE.COM, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSONLINE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.